sexta-feira, julho 15, 2016

Torre X2 (Covilhã e Vide)


Esta é aquele tipo de volta de bicicleta em que se passa parte do percurso a sonhar com a descida da Torre para a Covilhã para chegar rápido a casa e colocar as bicicletas à venda no olx! 

Bem, a história deste passeio resume-se a sair cedo de casa para dar um passeio só durante a manhã. Com saída às 8:00 não me pareceu uma manhã quente e decidi subir à torre e depois logo via. Como tem sido habitual passadas duas horas estava na rotunda. Decidi descer e virar à esquerda, talvez Loriga, talvez Seia.... fui descendo e nem uma coisa nem outra, virei para a Srª do Desterro e de seguida São Romão. Ali tinha de decidir outra vez, Loriga, Seia e mais uma vez nenhuma das duas. Fui à estrada da beira a EN17. Aqui já levava a a pulga atrás da orelha com o regresso a casa. Ainda não sentia muito calor e eram umas 11 da manhã. 

Cheguei ao Torrozelo e desci por Sandomil para a Ponte das Três Entradas, estrada que só tinha passado algumas vezes e sempre em sentido contrário. Na ausência de tascos nas próximas horas, decidi na Ponte das Três Entradas, parar para comer uma bifana. Neste restaurante lembro-me sempre de um episódio com o Joca e com o Mané num fim de semana em 2011, com o famoso arroz do Joca.



Comi e fiz-me novamente à estrada. Já a sentir bastante calor na Vide tinha duas opções, a opção Torre e a opção Pedras Lavradas. Optei pela Torre e foi um grande sofrimento, mais pelo calor e pela ausência de sombras durante os quase 30 Kms de subida.

Bebi mais nestes primeiros 15 Kms do que durante os 80 que tinha feito até Vide. Felizmente entre a Portela do Arão e o cruzamento da Lagoa Comprida existe um pequeno "oasis" sempre com sombra e com agua bem fresca. Se não fossem os 15 minutos aqui parado para arrefecer e encher os cantis, teria sido terrível. 


Assim que cheguei ao cruzamento seguinte virei para a Torre e desci para casa. Depois de alguns "Pai nosso" e "Avé Maria" no inicio de cada troço (dos três) entre Vide e Torre, restavam-me uns "Ais". Um "Ai" na Nave de Santo António, outro na estrada do Refugio e outro já no Tortosendo. Não é que fossem grande coisa, mas já tinha subidas e calor a mais. 

E lá se fez um passeio para 8 horas e 140 Kms. A sorte foi ter chegado a casa à hora do lanche.



2 comentários:

João L. disse...

Olá Tiago,

estava aqui a seguir o teu percurso à medida que o descrevias. Quando desceste para a Sra. do Desterro pensei: bom agora em S. Romão vira para Loriga e dai Pedras Lavradas e depois por ali abaixo (nem sempre, mas pronto) até ao Tortosendo. Mas não. Foste para a Estrada da Beira. E eu a pensar. e agora? Quando disseste que em Torroselo te meteste por ali abaixo até Sandomil pensei: o Sol deve estar a fazer-lhe mal à cabeça, onde é que se vai meter?. Mas o melhor estava para vir. Em Vide meteres-te para a Torre pela Portela do Arão !!! Com caraças! Até a mim, aqui sentado, me começaram a doer as pernas :) Deve ter sido infernal.

Que grande volta ! Mas, para além da dureza, suspeito que te deve ter dado um grande gozo. Cruzar o planalto central várias vezes e por várias encostas é uma experiência extraordinária.

Abraço

João

Tiaguss disse...

Viva João
Não terá sido o melhor dia para começar a subir para a Torre desde Vide às 12:30, já que o calor apertou bastante. Mas as férias estavam a acabar... :)
Fazem falta umas sombras, principalmente nos primeiros 12 Kms até à Portela do Arão. Lá em cima, o ar que circula já ajuda bastante.
Dá sempre um gozo enorme ir lá acima. Duas vezes é gozo (e sofrimento) a dobrar eh eh
Um abraço